Em Foco

Agricultores da Bahia recebem 14 mil mudas de dendê


MDA - 24 ago 2011 - 12:16 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:17

Para aumentar a produtividade dos agricultores familiares que plantam dendê no Território da Cidadania Baixo Sul na Bahia, 64 famílias receberam na última semana 14 mil mudas da palma de óleo da variedade tenera. A entrega é parte do projeto de produção de mudas criado pelo em Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) em parceria com a Comissão Executiva de Planejamento da Lavoura Cacaueira da Bahia (Ceplac). O MDA investiu mais de R$ 935 mil para apoiar a ação.

Esse foi o primeiro lote de mudas. Outros lotes serão entregues até o final do ano, totalizando cerca de 70 mil mudas da palmeira, que vão beneficiar aproximadamente 580 agricultores familiares do Território.

O coordenador de Biocombustível do MDA, Marco Antônio Leite, diz que a ação, além de aumentar a produtividade, vai garantir melhor renda aos agricultores. “Já existe um grupo de agricultores instalados na região produzindo e comercializando o dendê espontâneo por meio do Programa de Biodiesel. Com esse projeto, a nossa meta é potencializar esse trabalho da agricultura familiar na região e oferecer oportunidade de produção de dendê com mais tecnologia, para que, numa mesma área, seja possível aumentar a produção dos agricultores instalados no Território”, destaca.

A variedade tenera apresenta potencial para triplicar a produtividade em relação ao dendê da variedade dura, que cresce de forma espontânea no Território Baixo Sul. Os agricultores beneficiados por esse projeto já vendem a produção do dendê espontâneo para empresas produtoras de biodiesel, por meio do Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB) do MDA. A produção dos novos dendezais estará pronta para ser comercializada no prazo de três anos.

As cooperativas parceiras do projeto ficam responsáveis pela entrega e também pelo plantio das mudas junto aos agricultores familiares. O apoio dos serviços de assistência técnica também é ofertado pelas cooperativas locais,sob orientação da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA) e Ceplac.

Preparação das mudas
As sementes pré-germinadas foram adquiridas na Embrapa Manaus com  recursos do MDA. Antes da entrega, as mudas passaram pelas fases do pré-viveiro, onde ficam guardadas unitariamente em sacos pequenos, sob condições controladas, à sombra e protegidas por telas, de 3 a 4 meses. Depois, são transferidas para o viveiro, local onde permanecem de oito a dez meses, em sacos maiores. “A variedade tenera é mais produtiva e apresenta maior capacidade de produção de óleo.

Com essas mudas, melhoradas geneticamente, os agricultores terão capacidade de produzir mais de 20 toneladas de cachos, quando bem manejado. O dendezeiro tradicional, o espontâneo, só consegue produzir de três a cinco toneladas de cachos”, esclarece o pesquisador da Ceplac Bahia, Jonas de Souza.

O Programa do Dendê
O uso da palma de óleo na produção de biocombustíveis foi definido em 2010 pelo Governo Federal no lançamento do Programa de Produção Sustentável de Palma de Óleo no Brasil. O objetivo do Programa é disciplinar a expansão da produção do óleo e ofertar instrumentos para garantir uma produção em bases ambientais e sociais sustentáveis. A palma pode oferecer uma alternativa de produção sustentável, com alta produtividade e rentabilidade.

O Programa do Dendê proíbe a derrubada de floresta, determina áreas aptas para plantio, oferece linhas de crédito especiais e amplia a assistência técnica e extensão rural (Ater) aos produtores. O zoneamento do dendê proíbe a utilização de 86,4% das áreas aptas para plantio da palma e de 96,3% da área total do território brasileiro.

Em 2010 foram incluídas 276 famílias de agricultores familiares produtores de palma de óleo no Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB). O MDA participa da gestão do PNPB por meio do qual, além de estimular a produção do novo combustível, procura apoiar a participação da agricultura familiar na cadeia de produção.

Tags: Dende Palma