Bio

Franceses patenteiam novo catalisador enzimático


BiodieselBR.com - 06 jul 2011 - 06:47 - Última atualização em: 09 nov 2011 - 19:17

Um grupo de pesquisadores ligados ao Centre National de la Recherce Scientifique (CNRS) – órgão de pesquisas do governo francês – desenvolveu um novo catalisador enzimático que poderá aumentar a eficiência dos atuais processo de fabricação do biodiesel. Os resultados foram publicados na mais recente edição do jornal científico Energy & Environmental Science.

Normalmente o biodiesel é produzido misturando nove partes de uma gordura ou óleo a uma parte de álcool na presença de um catalisador ácido ou básico. Esse processo é conhecido por transesterificação e, geralmente, resulta em éster metílico – a forma de biodiesel mais comum – e glicerol. Entretanto, os processos atuais têm um calcanhar de Aquiles: uma reação química paralela chamada saponificação que transforma parte dos ésteres em sais. Isso diminui o rendimento, tornando os processos de fabricação menos eficientes e aumentando o preço final do biodiesel.

Para tentar resolver o problema, vários pesquisadores têm trabalhado no desenvolvimento de catalisadores mais eficientes. Um dos mais promissores são as lipases, enzimas muito eficientes e seletivas na transformação das gorduras. Contudo, o custo elevado e a instabilidade dificultam o uso dessa substância em aplicações industriais. Os pesquisadores do CNRS fizerem dois avanços sobre esses problemas.

Para começar, eles desenvolveram uma matriz celular feita de sílica que confina as lípases por períodos prolongados, facilitando seu transporte e manuseio durante os processos industriais. As matrizes obtidas pela equipe francesa também permite o uso de enzimas menos puras, o que colabora para baixar os custos do processo. O uso das matrizes, contudo, cria um obstáculo à produção do biodiesel por processo contínuo.

Para resolver mais esse impasse, os cientistas desenvolveram um método de produção de um novo biocatalisador in situ que funciona dentro da própria coluna de produção das usinas. Isso torna possível manter os níveis de enzimas estáveis por períodos de até dois meses o que permite manter um fluxo constante de produção de biodiesel.

renal_358_px.jpg

Referências:
Un nouveau catalyseur enzymatique pour produire du biodiesel

Enzyme-based biohybrid foams designed for continuous flow heterogeneous catalysis and biodiesel production

BiodieselBR com informações da CNRS.fr

Tags: Catalisador