Reciclagem de óleo de cozinha

Sabe o óleo de cozinha, de soja, girassol ou canola, por exemplo, freqüentemente utilizado em frituras. Pois bem, sem falar no mal que o excesso pode causar ao organismo, ele também faz um enorme ao meio ambiente se jogado pelo ralo da pia, pois provoca o entupimento das tubulações nas redes de esgoto, aumentando em até 45% os custos de tratamento.

Pensando nisso e em uma outra finalidade para o óleo usado, Marcos Menami e seu irmão, Robson, moradores de Birigüi, oeste paulista, iniciaram há dois meses uma coleta pelo município. "Mapeamos a cidade em cinco regiões e cada dia da semana passamos em uma delas para coletar óleo de cozinha em pontos comerciais.

Em cada comércio geralmente sobram, por semana, 50 litros de óleo", conta. E apesar de muita gente, principalmente no interior, fabricar seu próprio sabão com o resíduo, ainda há muitos outros que não sabem o que fazer com o material usado. "Em parceria com uma emissora de rádio local, passamos a divulgar o telefone da empresa para que quem não tiver um destino para o óleo possa nos procurar que vamos até o local recolher o material."

{sidebar id=13}Além de realizar esse trabalho, a cada cinco litros fornecidos, a Biom oferece algum produto de limpeza como detergente, amaciante, sabonete (adquiridos em outra parceria com um fabricante da cidade) ou mesmo uma nova lata de óleo por apenas 20% do preço do produto adquirido no supermercado.

E para estender o projeto também às residências os irmãos estabeleceram um trabalho conjunto com uma cooperativa que já realiza a coleta seletiva de resíduos sólidos, como latas, vidro e papel, em condomínios. Pretendem aproveitar a logística já existente, investir e ampliar a tarefa incluindo o resgate do óleo usado e estender a atuação para outros pontos de Birigüi.

No mês de agosto iniciarão uma ação nas escolas, pegando carona em um ciclo de palestras com o intuito de desenvolver a consciência ambiental, realizado pela prefeitura, estimulando os alunos a trazer de casa o óleo usado para que seja reciclado. Em troca, a cada 100 litros, eles levam doces e pipocas para serem distribuídos. Segundo Menami, isso é apenas o começo. Pretendem expandir a coleta por cidades da redondeza por um raio de 100 quilômetros, incluindo Araçatuba, Penápolis, Lins e Guararapes. O intuito final do trabalho consiste na produção de biodiesel, que já conta com uma usina piloto realizando os primeiros testes.