Produtores de Porangatu (GO) serão fornecedores de biodiesel

Será feito nesta terça-feira (14-03) em Porangatu (GO) o lançamento da pedra fundamental da maior indústria de biodiesel em construção do Centro-Oeste. As obras da Bionasa, Combustível Natural S.A. tiveram início na semana passada. A expectativa do presidente da Bionasa, Francisco Barreto, é que a usina entre em operação nos próximos 16 meses já que a construção deve ser concluída em 12 meses. A usina terá capacidade de produzir 10 mil toneladas/ano, sendo 85 mil toneladas de biodiesel e 15 mil toneladas de glicerina, o correspondente a 6% de todo o consumo de diesel do Estado de Goiás.

A obra vai demandar investimento da ordem de R$ 40 milhões e após sua conclusão vai gerar 107 empregos diretos e outros 1.500 empregos indiretos nas proximidades de Porangatu. De acordo com Francisco Barreto, este total de empregos refere-se aos micro e pequenos produtores de soja e girassol da região, que serão fornecedores de matéria-prima para a indústria. “Nós queremos ainda promover a criação de uma associação de pequenos produtores rurais que farão o esmagamento da produção, com garantia de compra, e poderão utilizar o resíduo (bagaço) como adubo e ração”, explica. Segundo ele, a Bonasa vai utilizar ainda como matéria-prima o sebo de boi, abundante em Goiás.

O presidente da Bonasa afirma que Goiás é geograficamente estratégico no que se refere ao Brasil e até ao mundo. Segundo ele, o Estado é um celeiro de matéria-prima nacional e precisa agregar maior valor ao seu produto. Francisco Barreto conta que um dos motivos que levaram a empresa a investir em Porangatu foi sua localização: próxima à Ferrovia Norte-Sul e à Belém-Brasília.