BiodieselBR.com

Sex01082014

    Lembrar | Esqueceu a senha? Não é assinante? Assine já!
Back Biodiesel História

História e Biodiesel

A história do biodiesel começa junto com a história do século 20. Embora os combustíveis de origem orgânica só tenham surgido como uma idéia viável bem mais tarde, principalmente após a explosão do preço do petróleo, na década de 1970, no início do funcionamento dos motores diesel já há relatos de uso de óleo vegetal para movê-los. E com sucesso.

O próprio Rudolf Diesel, inventor dos motores que levam seu nome, atestou o sucesso do uso de óleo de amendoim como combustível. O caso ocorreu na Exposição Mundial de Paris, em 1900. “A companhia francesa Otto demonstrou o funcionamento de um pequeno motor diesel com óleo de amendoim. Essa experiência foi tão bem sucedida que apenas alguns dos presentes perceberam as circunstâncias em que a experiência havia sido conduzida. O motor, que havia sido construído para consumir petróleo, operou com óleos vegetais sem qualquer modificação”, registra o histórico do combustível realizado pelos autores do Manual de Biodiesel.1

Na verdade, o motor não apenas funcionou com o óleo orgânico como pôde-se perceber que o desempenho da máquina, em comparação com o uso do combustível fóssil, foi exatamente o mesmo. Mais tarde, Rudolf Diesel diria que seus motores também funcionaram bem, experimentalmente, com outros óleos orgânicos, como o óleo de mamona e gorduras animais.

O inventor se empolgou com a descoberta e previu que, embora nos anos seguintes isso provavelmente não significasse uma substituição do petróleo, no futuro os óleos orgânicos poderiam ser muito importantes. “De qualquer forma, eles (os experimentos) permitiram demonstrar que a energia dos motores poderá ser produzida com o calor do sol, que sempre estará disponível para fins agrícolas, mesmo quando todos os nossos estoques de combustíveis sólidos e líquidos estiverem exauridos”, afirmou Diesel em uma palestra ao Institution of Mechanical Engineers (Instituto dos Engenheiros Mecânicos da Grã-Bretanha).2

Diesel estava certo também sobre a primazia que os combustíveis de origem mineral teriam num primeiro momento. Os óleos vegetais, logo se perceberia, deixavam depósitos de carbono no motor que exigiam manutenção muito mais frequente e acabavam tornando a vida da máquina mais curta.

Só houve avanços na perspectiva do uso de combustíveis derivados de produtos orgânicos a partir do momento em que se percebeu que “a remoção da glicerina da molécula original de óleo vegetal gerava um combustível muito mais apropriado para os motores do tipo diesel”3.

Isso ocorreu quando o belga George Chavanne, da Universidade de Bruxelas, descobriu o processo de transesterificação, a reação que permite a obtenção do biodiesel moderno. A descoberta de Chavanne foi patenteada na Bélgica em 1937, e logo ganhou aplicação prática. No ano seguinte, o biodiesel obtido com a reação foi usado para movimentar os ônibus de uma linha entre as cidades de Bruxelas e Louvain.

Durante a Segunda Guerra Mundial, muitos países usaram óleos de origem vegetal como fonte de combustível ou pesquisaram esse uso. A necessidade de substituição do petróleo, que escasseava com as restrições impostas pelo conflito, era a principal motivação para essas tentativas.

O Brasil, por exemplo, proibiu a exportação de óleo de algodão “porque este produto poderia ser usado para substituir as importações de óleo diesel”4. China, Argentina e Índia têm relatos semelhantes de esforços para a substituição do diesel.

Com o final da Segunda Guerra em 1945, porém, a produção e a distribuição do petróleo pelo mundo se normalizaram, e as pesquisas para uso do biodiesel foram temporariamente abandonadas. Só seriam retomadas quase 30 anos depois, novamente por motivos políticos e econômicos.

Foi a crise do petróleo, a partir de 1973, que colocou cientistas e governos novamente atrás de uma alternativa viável para o combustível fóssil. A política dos maiores produtores mundiais de petróleo, agora unidos na Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), fez reduzir a produção mundial e aumentou freneticamente os preços, fazendo com que muitos países decidissem apostar em programas que até então tinham poucas chances de sair do papel.

Para se ter uma idéia, a onda de pressão causada pelos integrantes da Opep elevou o preço do barril de US$ 2,90 para US$ 11,65 em apenas três meses. As vendas para os EUA e a Europa também foram embargadas nessa época, em represália ao apoio dado a Israel por esses países na Guerra do Yom Kippur (Dia do Perdão). Com isso, as cotações chegaram a um valor equivalente a US$ 40 nos dias de hoje (essa crise aumentou a dívida externa brasileira em mais de 40%).

Aumentam nessa época e nos anos seguintes as pesquisas sobre combustíveis alternativos. Curiosamente, é dos anos 1980, justamente quando essa busca se intensificava, o primeiro uso na história da palavra “biodiesel”. O termo teria aparecido num trabalho chinês de 1988, sendo citado novamente em 1991 e a partir daí se disseminado pelo mundo.5

É nesse contexto que o Brasil passa a investir em combustíveis orgânicos. O primeiro grande produto dessa busca seria o etanol, tema do Pró-Álcool. O segundo, o biodiesel.


1 Gerhard Knothe, Manual de Biodiesel, p.6
2  Ibidem, p.7
3 Ana Paula Gama Encarnação. Geração de Biodiesel pelos Processos de Transesterificação e Hidroesterificação, uma Avaliação Econômica. 2008. Dissertação (Mestrado em Engenharia Química) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, . Orientador: Donato Alexandre Gomes Aranda.
4 Gerhard Knothe, Manual de Biodiesel, p.8
5 Ibidem, p.13

Tudo sobre biodiesel