Falta de investimento ameaça abastecimento de combustíveis

O país corre risco de um racionamento de combustíveis a partir de 2025 por falta de refinarias para processar o petróleo e de infraestrutura para importar. Segundo a consultoria Strategy&/PwC, o crescimento da demanda e o compromisso ambiental firmado na última Conferência Global do Clima vão exigir investimentos de R$ 87 bilhões a R$ 95 bilhões até 2030. Se nada for feito, em sete anos o abastecimento, especialmente de diesel, ficará comprometido.

{viewonly=registered,special}O país corre risco de um racionamento de combustíveis a partir de 2025 por falta de refinarias para processar o petróleo e de infraestrutura para importar. Segundo a consultoria Strategy&/PwC, o crescimento da demanda e o compromisso ambiental firmado na última Conferência Global do Clima vão exigir investimentos de R$ 87 bilhões a R$ 95 bilhões até 2030. Se nada for feito, em sete anos o abastecimento, especialmente de diesel, ficará comprometido.

O estudo foi encomendado pelo Sindicom, que representa as grandes distribuidoras. Ciente de que a Petrobrás não vai mais correr atrás da solução, como no passado, o sindicato começou a pressionar o governo com uma pauta de reivindicações que vai ganhar força a partir de 2018. O pesadelo das distribuidoras é que a economia finalmente cresça, mas falte infraestrutura para dar vazão ao potencial de consumo da população.

O presidente do Sindicom, Leonardo Gadotti, disse que o prazo e o tamanho da crise dependem do crescimento do consumo e dos preços. “Os problemas podem ser antecipados se o País crescer mais que o previsto. Mas o consumo pode ser reduzido por força de preço”.

Para o sócio da Inter.B Consultoria, Cláudio Frischtak, “um eventual racionamento poderia levar a enormes perdas de bem-estar da população, como em qualquer racionamento, sob o agravante de que o combustível é essencial para o deslocamento”. Também poderia reduzir o crescimento da economia.

O estudo calcula um déficit de 19 bilhões de litros de combustíveis fósseis em 2030. Para cobrir a lacuna seria necessário ampliar a capacidade de produção em pelo menos 300 mil barris/dia. O gasto previsto é de R$ 33 bilhões. Para atender exigências da COP-21 o País precisará de R$ 7 bilhões para ampliar a produção de biodiesel e R$ 40 bilhões para elevar a oferta de etanol.

Se nada for feito, será preciso importar combustíveis, o que exigiria gastos em portos, tanques, ferrovias e dutos – de R$ 12 bilhões a R$ 15 bilhões até 2030.

Biodiesel direto em seu email

Antes de sair, cadastre-se para receber as principais notícias do setor
Obrigado, não quero ficar informado.
Esqueci minha senha close modal